Frei João Ferreira Júnior – REITOR

Palavra do Reitor

Que este tempo de pandemia seja também um tempo de grandes mudanças, isso parece já estar claro, por mais assustador que pareça. Não são poucos os pensadores e pensadoras que têm proposto significados para esta pandemia: sobre como ela reconfigurará nossas relações (pessoais, sociais, globais…) e remodelará o nosso modo de ser gente neste planeta. Algo de novo pode surgir, conquanto estejamos atentos e dispostos a essa reflexão e, mais que isso, às mudanças de atitude e posicionamento que este tempo adventício parece nos sugerir.

E é aqui que estamos, no início de mais um período acadêmico – em regime remoto de ensino – e principiando mais um semestre de trabalhos – ainda sob as exigências do distanciamento social. Num tempo como este, será sempre oportuno revisitar nossos carismas fundacionais, não como quem procura respostas velhas a perguntas novas, mas com a atitude de quem se nutre daquela intrepidez original e daquela criatividade dos começos, para lançar-se com coragem nas questões e nos dilemas que hoje nos tomam e se colocam como as encruzilhadas decisivas da nossa história.

O ISTA não nasceu de uma decisão de gabinete, num tempo de livres opções. Ele nasceu da necessidade que se impôs, em tempos de incerteza e de pouca liberdade. E, nas poucas opções disponíveis à época, erguer o próprio Instituto de Filosofia e Teologia não era a alternativa mais óbvia, nem a menos trabalhosa. Começamos sem sede, sem estruturas, sem os reconhecimentos civis, compreendendo que tudo isso viria a seu tempo. Sempre trabalhamos muito, nunca tivemos uma situação financeira demasiado confortável. Por mais de uma vez, como Sócios Fundadores, tivemos que reafirmar com coragem a decisão de manutenção do ISTA, dedicando a ele pessoas, recursos, tempo, esforço… E, com a riqueza dessa diversidade de carismas, construímos uma escola aberta, arrojada e participativa. Gerações inteiras se formaram aqui e, nesses 32 anos, temos colaborado se maneira significativa na formação da Vida Religiosa e de tantos e tantas que encontraram aqui um lugar para o amadurecimento do saber e da fé.

Assim, olhando para trás e para frente, recordamos e nos repropomos alguns caminhos. A primeira e mais imediata memória é a de que somos uma instituição de ensino superior. De modo que o rigor metodológico, a produção de conhecimento sério, a formação de qualidade, a construção da excelência devem ser nossas primeiras e mais cotidianas preocupações. Relações profissionais de trabalho, dedicação verdadeira aos estudos, critérios claros de exigência e avaliação, manutenção de um ambiente de trabalho genuinamente acadêmico, tudo isso são valores que não podemos negociar.

Em segundo lugar, somos uma instituição confessional cristã. Isso não significa que sejamos proselitistas, nem restritivos no acesso ou na produção do conhecimento, nem que hierarquizemos nossas relações a partir da pertença formal das pessoas aos grupos ou às instituições cristãs. Exatamente porque somos uma instituição cristã, e por fidelidade a essa fé, somos uma escola aberta a todos que se disponham às relações sinceras e transparentes, que estejam orientados a uma ética do bem e da vida, da justiça e da paz. Somos homens e mulheres do diálogo, capazes da pluralidade que enriquece a unidade, ou melhor dito, da diversidade que funda comunhão. Valorizamos a vida comunitária como palco da Revelação, dividimos a vida com generosidade e acolhemos as dores com compaixão e solidariedade. É preciso que nossas relações institucionais revelem esses valores de catolicidade, fazendo brotar também daqui alguns valores irrenunciáveis: clareza na comunicação, eficácia nos canais de diálogo, construção comum dos processos institucionais, coparticipação e colegialidade nas decisões, avaliações periódicas em que todos possam ser ouvidos e considerados, honestidade na construção dos consensos e corresponsabilidade na efetivação das decisões consentidas, espaço para o pensamento plural, inclusão e respeito pelas singularidades.

E, em terceiro lugar, somos uma instituição fundada e mantida pela Vida Religiosa Consagrada, embora aberta a todas as pessoas. Podemos ser um centro irradiador da espiritualidade e de um pensamento filosófico e teológico típico da Vida Religiosa Consagrada. Somos uma faculdade à disposição das muitas vocações da Vida Religiosa Consagrada, em suas várias atuações, frentes e iniciativas. E é nosso desejo aprimorar essa diversidade, colaborando na formação de religiosos e religiosas capazes de responder aos dilemas de hoje com agudeza de pensamento e grandeza de alma, com compromissos claros e pautas atuais.

Que, neste tempo tão exigente, sejamos capazes de respostas originais e verdadeiras, aquelas mesmas brotadas da criativa fidelidade a esses 32 anos de história do ISTA.

 

Frei João Ferreira Júnior OFMCap
Reitor