No dia 05 de novembro, cerca de trinta estudantes do ISTA participaram da Caminhada dos Atingidos em Mariana, recordando os exatos dois anos, onde a barragem da mineradora Samarco se rompeu, afetando 39 cidades em Minas Gerais e no Espírito Santo.
Algumas famílias atingidas deram seu testemunho e se mostraram indignadas com esse crime cometido pelas mineradoras Samarco, Vale e BHP Billiton. Outros representantes de movimentos sociais e instituições também estiveram presentes, manifestando sua indignação e repúdio contra este ato injusto e criminoso. Após este momento, houve uma caminhada nas ruas de Mariana, em protesto por esta barbárie que ceifou a vida de tantos e tantas. Hoje, os atingidos de Mariana brigam na Justiça para que sejam indenizados dentro das diretrizes determinadas por seus modos de vida, compatível ao sofrimento e às perdas que somente eles sabem medir. Em meio à dor, lutam para que a lama da rompida barragem de Fundão não arraste no tempo a vida secular de suas comunidades.
O evento culminou com a celebração eucarística, presidida por D. Geraldo Lyrio Rocha, arcebispo de Mariana, onde salientou que “esse acontecimento não pode ser esquecido nem banalizado”, é importante não perder a memória, buscar a justiça e alimentar a esperança por dias melhores.
O diretório acadêmico Dom Oscar Romero e o Instituto Santo Tomás de Aquino, com voz profética, diz não ao crime cometido pelas mineradoras e se mantém ao lado das famílias atingidas, denunciando as atrocidades e buscando para que sua dignidade seja reconhecida, seus bens ressarcidos e seu protagonismo considerado na busca de soluções que atendam a suas legítimas demandas.